Por norma, as entrevistas são bem-sucedidas quando o entrevistador e o entrevistado estão, de certa forma, em sintonia. Criar empatia com alguém que acabou de conhecer é mais fácil quando se nota que gostam um do outro e têm interesses em comum. Mas devido à natureza de uma entrevista, não é essencial existir uma ligação pessoal.

No entanto, é necessário deixar uma impressão positiva. Por isso, criar empatia durante a sua entrevista deve ser o principal foco.

As entrevistas podem ser experiências bastante angustiantes, pelo que preparar-se o melhor possível ajudará a amenizar as suas preocupações. Veja as dicas que resumimos abaixo para causar boa impressão na sua próxima entrevista.

Antes da entrevista

É mais fácil criar empatia com alguém com quem tenha algo em comum, por isso pesquisar sobre a empresa antes da entrevista é muito importante. Além do facto de poder parecer desinteressado se não souber nada sobre a organização, se descobrir mais sobre questões atuais da empresa já terá um tema para debater durante a entrevista, evitando ficar perdido se lhe for feita alguma pergunta mais complicada.

Também pode pesquisar sobre o seu entrevistador no Linkedin, se souber quem o vai entrevistar, para recolher informações sobre a sua atual função, objetivos e artigos ou publicações que tenha feito naquela plataforma.

Vestir-se adequadamente

Se a entrevista for numa organização com vestuário formal, faça o mesmo e vista-se a rigor. Se não sabe qual o “dress code” a usar, será melhor perguntar ao recrutador e se continuar com dúvidas é preferível ir demasiado “bem vestido” do que  “mal vestido”. Isso mostrará que é alguém com interesse na função e que gosta de se apresentar de forma profissional. Se conseguir o trabalho, poderá depois adaptar o seu vestuário à empresa, mas irá sempre parecer pouco cuidadoso se não estiver no seu melhor aquando a entrevista.

Iniciar a entrevista

Embora criar rapidamente empatia seja importante, começar uma entrevista num tom demasiado familiar pode ser entendido como um comportamento inapropriado. Pense nos possíveis momentos estranhos que possam ocorrer entre ser atendido na receção e ser apresentado na sala de reuniões, preparando algumas perguntas básicas para quebrar o gelo antes do início da entrevista, como por exemplo perguntar à pessoa há quanto tempo ela está na organização. 

Normalmente, é uma boa ideia fazer perguntas abertas para incentivar a conversa. A capacidade de demonstrar interesse genuíno por uma função e pela empresa de uma forma amigável e descontraída garante que a entrevista começa com uma nota positiva. Considerando que todos os candidatos entrevistados provavelmente terão um conjunto de competências e um nível de experiência semelhantes, geralmente é a pessoa que parece mais entusiasmada com a oportunidade que causa a melhor impressão.

Durante a entrevista

Embora a tentação possa ser encarar uma entrevista como um exame, é importante pensar no tom da conversa. E embora vá pensar em muitas coisas enquanto estiver na sala de entrevistas, tente lembrar-se destes pontos:

· Sempre que possível, tente refletir subtilmente a linguagem corporal do seu entrevistador. Não deve ser óbvio que está a tentar copiá-lo, mas as pessoas geralmente respondem àqueles que parecem estar envolvidos com elas.

· Ouça tudo o que o entrevistador diz; repetir as respostas do entrevistador mostra que você ouviu e entendeu. Repita alguns dos seus comentários e mostre que aprova o que eles dizem. Uma boa maneira de o fazer é responder em frases completas, por exemplo, respondendo a uma pergunta como "O que você diria que é a perspetiva da indústria este ano?" com “As perspetivas da indústria este ano são…”.

· Evite falar sobre política ou religião; isso pode causar constrangimento ou até ser ofensivo. Mantenha os tópicos relacionados ao setor, organização e função, a menos que o entrevistador faça uma pergunta informal. Também é boa ideia não falar mal de um empregador atual ou anterior - não é profissional e pode criar um ambiente negativo.

· Deve colocar questões que o ajudarão a tomar uma decisão sobre ficar ou não com aquele trabalho, caso lhe seja feita uma proposta. Muitas vezes, ajuda preparar antecipadamente uma lista de perguntas sobre o que gostaria de saber acerca da função e da empresa: a cultura, os desafios da função, quais as qualidades de que  as pessoas precisam para ter sucesso dentro da organização, ou até mesmo questões como responsabilidade social corporativa. Isso não o ajudará apenas a tomar uma decisão mais clara, mas também mostrará que está envolvido e tem um forte interesse na empresa.

Após a entrevista

Muitas pessoas não percebem que a entrevista não precisa terminar quando saem da sala. É sempre uma boa ideia entrar em contato novamente após a entrevista, tal como faria se encontrasse alguém num evento de networking, por exemplo. Envie um e-mail formal de agradecimento, diretamente ao entrevistador, ou ao recrutador caso tenha recorrido a uma empresa de recrutamento para a entrevista. Esta é uma forma de continuar o diálogo após a reunião.

O principal objetivo de criar empatia numa entrevista é aumentar a impressão de que pensa da mesma forma que o entrevistador, mostrando que partilha uma mesma perspetiva profissional e forma de trabalhar.

Por fim, é importante não esquecer que, apesar de tentar criar empatia, está lá para provar que pode fazer o trabalho. Certifique-se de que as suas perguntas e respostas demonstram as suas competências e experiências relevantes.

Se pretende mais conselhos sobre como se preparar para uma entrevista, clique aqui