Promover uma boa saúde mental no local de trabalho pode ter um enorme impacto nas empresas. A ansiedade, a depressão e outros problemas relacionados com a saúde mental verificam-se cada vez mais em alguns países. Neste contexto, as empresas têm a oportunidade de influenciar positivamente a saúde dos seus colaboradores, dando-lhes algum apoio.

O The New Economics Foundation faculta 5 dicas para melhorar o seu bem-estar a nível laboral.

1. Conexão

As relações sociais são cruciais para o nosso bem-estar. Ao acrescentar valor a um projeto (demonstrando a nossa própria visão ou simplesmente integrando colaboradores talentosos na equipa), fazemos com que se gerem contribuições positivas, que nos farão sentir melhor.

O convívio laboral é uma das necessidades humanas mais fundamentais. Um bom exemplo de promover a conexão é deixar de escrever tantos emails desnecessariamente, optando antes por reunir com os seus colegas presencialmente. A interação face-a-face, mesmo que por breves momentos, permite-nos observar as expressões faciais, ouvir o tom de voz e, assim, compreender melhor a situação em questão.

Um dos motivos que faz com que os emails nos transmitam ansiedade é o facto de exigirem que nós despendamos algum tempo e energia, podendo distrair-nos das nossas outras tarefas, que poderão começar a acumular-se devido ao tempo investido para as respostas de e-mail.

Para conseguir fortalecer as relações no local de trabalho, poderá optar por escrever emails apenas em determinados períodos do dia. O facto de estar menos tempo conectado poderá ajudá-lo a sentir-se mais próximo dos colegas de trabalho que o rodeiam.

Da próxima vez que fizer uma pausa, tenha uma conversa com um colega de trabalho na copa. Pergunte-lhe como foi o seu fim-de-semana e escute-o verdadeiramente. Estes pequenos atos no trabalho podem transmitir-nos sentimentos mais positivos.

2. Pequenas mudanças, grandes benefícios

Apesar de ser difícil eliminar a ansiedade e o stress das nossas vidas em contexto laboral, tal não é impossível, pois podemos tentar reduzir a intensidade com que sentimos estes problemas. Se identificar que existem dias em que se sente mais stressado e ansioso do que outros, este será à partida o primeiro passo para conseguir fazer uma boa gestão desse problema. Um dos maiores problemas relacionados com a ansiedade é que até as coisas mais simples podem mexer demasiado connosco.

O conhecimento e a aceitação de que esta é uma consequência normal da ansiedade ajudam-nos a aliviar o sentimento. Um bom exemplo de gestão de stress no local de trabalho passa por fazer exercício (dentro e fora do escritório). Se for de metro para o trabalho e verificar que este está constantemente cheio, fazendo com que comece o seu dia de mau-humor e de forma negativa, opte por sair na estação anterior e caminhe até à empresa onde trabalha.

Uma pesquisa feita recentemente pelo PageGroup acerca do transporte diário revelou que, na Europa, os passageiros que optam por ir de bicicleta ou a pé para o trabalho terminam o percurso casa-trabalho menos stressados do que os que o fazem de carro ou de transportes públicos.

Não utiliza os transportes públicos? Não há problema - opte pelas escadas, dedique metade da sua pausa de almoço para passear e apanhar ar fresco, contribuindo assim para a melhoria do seu bom humor. Melhorar a sua saúde mental não exige mudanças drásticas nos seus hábitos quotidianos, pois apenas algumas pequenas mudanças poderão fazer toda a diferença.

3. Adapte-se ao ritmo e torne-se auto-consciente

Num mundo onde a correria é o normal, por vezes acabamos por nos esquecer de nós mesmos. Refletir e ter autoconsciência ajuda-nos a compreender as emoções e dá-nos tempo para enfrentá-las.

Alguns estudos mostram que quando estamos mais conscientes do que está a acontecer e do seu motivo, ganhamos uma melhor perceção das coisas, o que acaba por nos ajudar a reafirmar as nossas escolhas e propósitos.

O Psiquiatra Clínico Daniel Siegel dizia o seguinte acerca da autoconsciência:

“Quando se tem consciência de como os nossos sentimentos afetam o raciocínio, pensamento e forma de interagir com os outros – existe autoconsciência. Esta é uma componente de inteligência emocional e sabemos que existem circuitos no cérebro que permitem que esteja ciente do seu mundo mental, sendo diferente dos circuitos que permitem que esteja consciente do seu mundo físico.”

Ter tempo para nos tornarmos mais auto-conscientes altera o nosso raciocínio e também a forma de interação com as outras pessoas. Assim, guarde algum tempo para si. Experimente uma forma diferente de trabalhar ou almoce num sítio novo e diferente, saboreando o momento e permitindo-se ter tempo para refletir acerca das coisas, sem pressa.

O facto de estarmos conectados 24 horas por dia / 7 dias por semana não facilita a nossa vida. Dessa forma, aproveitarmos pequenos momentos e optarmos por novas tarefas diárias é uma ótima forma de nos sentirmos mais calmos e relaxados, bem como mais capazes de desfrutar e compreender melhor as pessoas à nossa volta e o nosso ambiente de trabalho.

4. Crescimento pessoal contínuo

A atenção plena e o convívio com os colegas são bastante importantes para a nossa saúde mental, o que resulta numa contínua aprendizagem. Ninguém sabe tudo, nem mesmo os especialistas.

Se dedicarmos o nosso tempo a aprender mais, alcançaremos um maior propósito no mundo e, se formos capazes de aplicar tudo o que aprendemos em reuniões, discussões ou até mesmo nas restantes tarefas laborais, sentir-nos-emos mais satisfeitos.

No livro “Teaching, Tutoring and Training in the Lifelong Learning Sector”, Susan Wallace verificou que, ao longo da vida, a aprendizagem pode trazer-nos satisfação, um mecanismo que nos ajuda a diminuir o stress e aumenta a nossa autoestima. Este facto não significa um regresso à universidade nem ter de obter um grau de ensino, pois existem muitas formas de aprender algo novo e conseguir melhorar o seu conhecimento.

Aprender a cozinhar, ter novos hobbies ou até mesmo inscrever-se num curso de línguas poderá aumentar o seu leque de competências mas, mais importante do que isso, irá trazer-lhe uma maior sensação de bem-estar e de autorrealização.

5. Preparação dos líderes e colaboradores para a mudança

Enquanto a saúde mental se torna cada vez mais presente na sociedade e no local de trabalho, os colaboradores, gestores, diretores e CEO’s concordam com a necessidade de se ter cargos adequados para solucionarem os problemas. Os mais adequados serão os Gestores de Desenvolvimento de Talento, sendo capazes de reconhecer os sinais de extremo stress, ansiedade e depressão dos seus colaboradores.

Não obstante, o PageGroup tornou-se num dos primeiros Fornecedores de RH a querer saber mais acerca do estigma da saúde mental. “Time to Change”, é uma iniciativa liderada pela Mind and Rethink Illness. Outras 450 empresas seguiram o exemplo e estão empenhadas em acabar com o estigma que envolve a saúde mental, levando à criação da [email protected], que visa aumentar a sensibilização, desenvolver a formação, eliminar as barreiras e incentivar a que existam conversas positivas em torno deste tema.

No passado, estas questões passaram despercebidas e levaram ao absenteísmo e diminuição da produtividade. À medida que as sociedades vão tendo mais consciência e abertura para aceitar estas questões, especialmente à medida que mais e mais pessoas começam a encontrar o seu caminho, acabam com o sofrimento silencioso, abordando as questões que os afetam. Assim, as empresas passarão por uma transformação verdadeiramente positiva, uma vez que levará, sem dúvida, a uma força de trabalho mental mais saudável, produtiva, feliz e capaz de gerir os níveis de stress, ansiedade e depressão.

Consulte mais conselhos aqui