You are here

Transportes e Deslocações

AS DESLOCAÇÕES EUROPEIAS: calmas e relaxadas ou stressantes e ineficazes?

Será que as empresas precisam de abordar temas como a deslocação para o local de trabalho para conseguir atrair e reter talento? Será que as deslocações para o trabalho são um fator chave quando os candidatos decidem se aceitam ou não uma nova oportunidade?

As deslocações diárias são um tema atual que divide opiniões. Para algumas pessoas, este momento é uma grande oportunidade de incrementar a sua produtividade e de conseguir dar início a algumas tarefas antes de chegar ao local de trabalho. No entanto, para outras,  é um indutor de stress que tem um impacto significante no bem-estar de cada um.

No mais recente estudo da Michael Page questionámos cerca de 12,000 profissionais para perceber de que forma estes se deslocam de e para o local de trabalho. Após uma profunda análise descobrimos não só de que forma os Europeus se deslocam, mas também que meio de transporte utilizam e respetivos níveis de stress de acordo com o meio utilizado. Analisámos ainda como classificam o equilíbrio entre  vida profissional e pessoal.

A HORA DE ACORDAR

A que horas começa em média o dia dos profissionais europeus?

39% dos profissionais europeus acorda antes das 6:30 da manhã. Esta tendência é verificada principalmente na Áustria e na Alemanha, onde 59% dos profissionais afirma acordar antes desta hora. Já em Portugal e Espanha tal não acontece, com apenas 21% e 15% respetivamente a afirmar que acorda antes das 6:30. Isto não significa, no entanto, que no Sudoeste Europeu os profissionais não têm vontade de trabalhar, uma vez que descobrimos que nestes países o horário de trabalho é diferente. Por norma, os profissionais começam a trabalhar mais tarde mas também saem mais tarde do escritório.

Calmo e sereno?
Poderá a deslocação acalmar as pessoas?

De uma forma, nos países em que os profissionais acordam mais cedo, os inquirtidos também se sentem mais calmos. 84% dos inquiridos na Holanda e na Áustria confirma esta tendência. Estes países classificam-se como sendo significativamente mais calmos (76%), comparativamente com a média Europeia. Apenas a Turquia e França se classificam abaixo da média Europeia com médias de 66% e 63% respetivamente. 
 

A DESLOCAÇÃO: QUANTO TEMPO DEMORA?

Com base nas respostas de mais de 12,000 profissionais, descobrimos que 39% dos europeus demora mais de 45 minutos numa deslocação unilateral por dia. O país no qual os profissionais despendem menos tempo é em Portugal, com 34 minutos, classificando-se ainda como o país com menos stress. O mesmo não acontece na Turquia, país no qual a maioria dos colaboradores perde mais de 48 minutos a deslocar-se até ao trabalho.

Tanto Itália (45 minutos) como a Turquia têm os maiores períodos de tempo no que concerne as deslocações diárias, sendo ainda os países no quais os colaboradores mais trabalham enquanto se deslocam e se sentem mais stressados. Existe uma correlação entre esta situação e o equilíbrio entre  vida profissional e pessoal, ao vermos estes países nos 5 últimos lugares do ranking Europeu de Work-Life Balance. Os profissionais italianos e turcos não relaxam durante as deslocações, procurando antes tirar proveito do tempo que nelas despendem. Esta realidade acaba por afetar também as empresas, por exemplo através da redução do número de candidatos por oportunidade disponibilizada e da rejeição de propostas de emprego. As organizações precisam de ter cada vez mais estes fatores em consideração quando estão a rever compensações e modelos de trabalho para posições onde a deslocação é efetivamente longa.
 

A DESLOCAÇÃO: QUAL O MÉTODO?

66% dos profissionais afirma utilizar o seu meio de transporte próprio para se deslocar para o trabalho, sendo que apenas 34% utiliza a rede de transportes públicos. Quanto mais eficientes forem os transportes públicos, menos stressante será a deslocação. Este dado afeta bastante a forma como as pessoas chegam ao local de trabalho, sendo um fator que contribuiu não só para a atração de talento mas também para a respetiva retenção. Se a deslocação for mais eficiente, os colaboradores chegarão mais bem disposto e serão mais produtivos.
 

A DESLOCAÇÃO: QUÃO EFICIENTE?

De um modo geral, a rede de transportes públicos europeia é eficiente, com uma média de 75% dos inquiridos a fazer essa consideração. Os países com os sistemas de transportes mais eficientes são a Suíça (94%), Áustria (89%) e Polónia (88%). Tanto a Suíça como a Áustria estão classificadas como sendo menos stressante. Este talvez seja o resultado de uma rede de transportes eficiente, sendo que os profissionais despendem de uma forma geral menos tempo nos transportes do que os inquiridos dos restantes países. A eficiência dos sistemas em França e Itália está drasticamente abaixo da média com os valores de 64% e 54% respetivamente. É importante referir que também Portugal, Bélgica, Holanda e Turquia estão significativamente abaixo da média. 
 

MEDIDOR DE STRESS DOS TRANSPORTES PÚBLICOS

Quão stressante consideram os profissionais a deslocação nos transportes públicos?

Nesta questão, tentámos perceber o quão stressante pode ser para os profissionais deslocarem-se de transportes públicos. Sem surpresa, verificamos que a rede de transportes de Itália e Turquia são consideradas mais stressantes que as restantes redes europeias, com 68% e 57% respetivamente. Tais dados fazem com que se comece a falar, por parte das empresas, na necessidade destas evoluírem para modelos de trabalho mais flexíveis – de forma a gerir o impacto negativo sofrido pelos seus colaboradores nas deslocações diárias. Isto permitirá aos colaboradores trabalharem a partir de casa ou terem a opção de começar mais tarde. A média europeia indica que de forma geral o sistema de transportes não é necessariamente stressante.
 

MEDIDOR DE STRESS DOS TRANSPORTES PRIVADOS

Será que os colaboradores acham stressante deslocarem-se até ao local de trabalho através de mota, carro ou a pé?

Em média, 34% dos colaboradores considera as deslocações através dos transportes privados stressante; no entanto afirmam que é menos stressante do que através dos transportes públicos. Os países que consideram os transportes privados mais stressantes são Itália e Turquia, com 49% e 46% respetivamente. A Holanda é o país que considera a utilização de transportes próprios menos stressante, com um valor de 19%. É importante denotar que mais de 20% dos holandesas afirma utilizar as bicicletas como meio de transporte primordial, daí não ser uma surpresa que estes considerem as deslocações diárias menos stressantes. Talvez isto indique que as bicicletas devam ser consideradas como meio de transporte primordial para mais cidades, uma vez que permitem que as pessoas sejam desportivamente ativas, com níveis de stress mais baixos e com maior probabilidade de serem produtivas no local de trabalho. 
 

COMO CHEGAM AS PESSOAS AO SEU LOCAL DE TRABALHO?

Será que as deslocações diárias para o local de trabalho afetam o bem-estar?

44% dos profissionais europeus chega atrasado ao local de trabalho. No entanto, cerca de 70% destas pessoas sentem-se calmas quando chegam aos escritórios. Curiosamente, descobrimos que os profissionais que utilizam transportes públicos chegam mais vezes atrasados do que aqueles que utilizam transporte próprio. Estes mesmos profissionais consideram a rede de transportes públicos pouco eficiente. Não é então estranho que a maioria afirme estar stressado ao utilizar os transportes públicos e que não acorda pacificamente.

MAS PORQUÊ?

O estudo realizado pela Michael Page na Europa Continental teve como principal objetivo perceber o que sentem exatamente os profissionais na sua deslocações diárias. Através da nossa investigação, somos agora capazes de medir o quão stressados/calmos ficam os profissionais antes e após as respetivas deslocações diárias.

As deslocações podem ser bastante stressantes. Se quer reduzir o tempo que demora a chegar ao trabalho, realocar-se ou experimentar algo novo, veja a nossa lista de ofertas aqui